Tag Archives: Casos da vida real

Conduzir um bocadinho com os copos

Beber: uma história de amor – Caroline Knapp

beber uma historia de amorRecentemente fui operado a um olho. Ao ler este “Beber – uma história de amor” fiquei com a mesma sensação: um excelente ponto de vista interno, que  poucos tem a oportunidade de assistir do lado de dentro. A forma como Caroline Knapp escreve, permite ao leitor, com grande facilidade, “ver” os episódios da vida de uma alcoólica funcional. Funcional é aquela pessoa que mantem a vida toda em ordem, ninguém desconfia de uma doença tão grave como o alcoolismo. Deixo-vos algumas citações só para aguçar o apetite:

“As seguintes questões, compiladas pelo Conselho Nacional sobre Alcoolismo e Toxicodependência, foram concebidas para ajudar as pessoas a verificarem se têm ou não problemas com a bebida. Foi assim que lhes respondi, algumas semanas antes de ter parado de beber.

Sim Não
x 1. Costuma beber muito depois de uma frustração, uma discussão ou quando o seu chefe lhe dá problemas?
x 2. Bebe mais do que o normal quando tem problemas ou se sente sob pressão?
x 3. É capaz de aguentar uma maior quantidade de álcool do que quando começou a beber?
x 4. Alguma vez se apercebeu de que não conseguia lembrar-se de uma parte da noite anterior, ainda que os amigos lhe digam que não perdeu os sentidos?
x 5. Quando está a beber com outras pessoas, tenta beber mais alguma coisa sem que os outros reparem?
x 6. Há ocasiões em que se sente mal se não tem álcool à sua disposição?
x 7. Tem-se sentido mais impaciente e ávido pelo primeiro copo do que antes?
x 8. Sente-se por vezes culpado pro beber?
x 9. Fica secretamente irritado quando a sua família ou amigos abordam o seu problema com a bebida?
x 10. Reparou recentemente num aumento da frequência de «perdas de memória»?
x 11. Conclui com frequência que deseja continuar a beber depois de os seus amigos terem dito que já beberam o suficiente?
x 12. Nas ocasiões em que bebe muito costuma ter um motivo específico para isso?
x 13. Quando está sóbrio, lamenta com frequência coisas que fez ou disse enquanto estava a beber?
x 14. Já tentou mudar de marcas ou seguir planos diferentes para controlar a bebida?
X 15. Já tentou controlar a sua bebida mudando de emprego ou mudando de casa?
X 16. Tenta evitar a família ou amigos íntimos quando bebe?
X 17. Os seus problemas financeiros e de trabalho não param de aumentar?
X 18. Tem a impressão de que há mais pessoas a tratarem-no injustamente sem uma boa razão?
x 19. Come muito pouco ou irregularmente quando está a beber?
x 20. Tem por vezes tremores de manhã e sente que tomar uma bebida pode ajudar?
x 21. Reparou recentemente que não consegue beber tanto quanto costumava?
X 22. Fica por vezes embriagado durante vários dias?
x 23. Sente-se por vezes muito deprimido e interroga-se sobre o valor da vida?
X 24. Depois de períodos em que bebeu muito, vê ou ouve coisas que não existem?
X 25. Sente-se terrivelmente assustado depois de ter bebido muito?

– página 115/116

“Quando fiz 29 anos, Wicky morreu de repente, de um ataque muito violento. Tinha 42 anos. Alguns meses depois do funeral, a minha meia-irmã, Penny, irmã mais velha de Wicky, mandou-me uma carta contando como tinha sido crescer com ele e quebrando o silêncio a propósito do papel do álcool em tudo aquilo. «Nunca ninguém falou disso», escreveu ela, «mas é absolutamente óbvio para mim agora que ele sofria de síndrome alcoólico-fetal.» – página 57

“(…) No fundo, o alcoolismo é como uma acumulação de dezenas de ligações como essa, inúmeros pequenos medos, fomes e raivas, diversas experiências e memórias que se acumulam no fundo da nossa alma, coalescendo, depois de muitas e muitas bebidas, numa única solução líquida.

Claro que o problema da autotransformação é que, ao fim de pouco tempo, já não sabemos em que versão de nós acreditar, qual é a verdadeira. (…)

(…) Ao fim de pouco tempo, já não sabemos sequer as coisas mais básicas sobre nós próprios – de que temos medo, o que nos desagrada, de que precisamos para nos sentirmos confortáveis e calmos – porque nunca demos a nós próprios a oportunidade, clara e sóbria, de o descobrir.

O álcool oferece protecção contra tudo isso, defende-nos da dor da autodescoberta, um protecção maravilhosa e reconfortante que é altamente insidiosa porque, sendo absolutamente falsa, nos parece tão real e necessária.” – páginas 75/6

“Lembro-me de escutar os argumentos e contra-argumentos, e de pensar: Não estou a perceber nada. Ninguém fala do álcool. O álcool surgia de quando em vez, apresentado como factor que piorava as situações – a própria Roiphe escreve acerca de «recordar noites complicadas, com muitos copos de vinho, em camas conhecidas e desconhecidas.» Mas, no geral, o excesso de álcool era discutido como um elemento acessório, algo com consequências palpáveis: beber tolda o raciocínio, enfraquece a capacidade de comunicação. As ligações mais profundas entre o álcool, a auto-estima e a sexualidade, a forma como as mulheres (pelo menos as mulheres como eu) se servem do álcool para abafar uma vasta gama de sentimentos conflituosos – desejar e temer a intimidade; desejar a união com os outros e recear perder-se nela; grande incerteza acerca de como e quando estabelecer barreiras, como e quando abrir mão delas – eram assuntos abordados de modo ligeiro, sem detalhe nem profundidade.” – página 80

“Doloroso e extraordinariamente comum. As coisas que nos levam a beber, podem levar-nos com a mesma facilidade a qualquer uma das outras coisas terríveis. Para Janet, a autodestruição surgiu na forma de bulimia (…).” – página 128

É esta uma das (possíveis) diferenças entre ver televisão e ler um livro: podemos voltar para trás, refletir, ler sem limite de tempo e formar uma opinião mais fundamentada. Em vez de nos limitarmos a acreditar em tudo o que se pode ver na TV.

Beber: uma história de amor – Caroline Knapp

beber uma historia de amor“(…) No fundo, o alcoolismo é como uma acumulação de dezenas de ligações como essa, inúmeros pequenos medos, fomes e raivas, diversas experiências e memórias que se acumulam no fundo da nossa alma, coalescendo, depois de muitas e muitas bebidas, numa única solução líquida.

Claro que o problema da autotransformação é que, ao fim de pouco tempo, já não sabemos em que versão de nós acreditar, qual é a verdadeira. (…)

(…) Ao fim de pouco tempo, já não sabemos sequer as coisas mais básicas sobre nós próprios – de que temos medo, o que nos desagrada, de que precisamos para nos sentirmos confortáveis e calmos – porque nunca demos a nós próprios a oportunidade, clara e sóbria, de o descobrir.

O álcool oferece protecção contra tudo isso, defende-nos da dor da autodescoberta, um protecção maravilhosa e reconfortante que é altamente insidiosa porque, sendo absolutamente falsa, nos parece tão real e necessária.” – páginas 75/6

Raiva da Terra – Chico Gouveia

O discurso de Yeonmi Park

00:30 A Hora Negra

Eduardo Marinho – O Despertar