Walid El Sayed – Sou da geração do basta

Hallelujah (Leonard Cohen) – Soren Madsen

A MAIS VELHA PROFISSÃO DO MUNDO E UM CORAÇÃO CHEIO DE COMPAIXÃO

A MAIS VELHA PROFISSÃO DO MUNDO E UM CORAÇÃO CHEIO DE COMPAIXÃO.

Monkey Training for a Circus

World press photo 2015

«Monkey Training for a Circus». Nature, 1st prize singles | Yongzhi Chu

world press photo 2015

Afinal hoje é que é sexta feira 13

Picture0002Por esta e por outras como esta é que eu resolvi escrever no blogue “O diário do Zé Pedro”. É que de tão insólitas, disparatadas e ridículas eram, as coisas que me aconteciam, que chegavam a ser cómicas. Parecia humor puro e simples em vez de realidade. Entretanto acabou a competência e o profissionalismo e banalizou-se a vulgaridade. Hoje as coisas resolvem-se com um microfone na cabeça, culpando o computador, a internet ou “eles lá” pela falta de transparência que permite meter a mão ao bolso do otário. Eu otário me confesso: as mulheres tem razão, vale a pena estar atento aquela coisa da concorrência dos tarifários dos telemóveis. Sempre se poupa alguma coisita. Resolvi mudar de tarifário. Possível é mas… tanto tempo ao telefone, satura. Não, não quero mudar a internet. Não, nem a televisão. Não, nem a rede fixa cá de casa. É só o tarifário deste telemóvel. Não, nem a família toda. Não. Então não é consigo? Falo com a sua colega sim senhor!  O meu problema? Tenho medo de amanhã acordar com um torcicolo por estar à mais de meia hora ao telefone!

Reticências…

Vamos lá ver se eu percebi: não tenho contrato de fidelização convosco e não posso mudar de tarifário, não me posso desvincular de vocês, é isso? Sim. Não tenho contrato de fidelização, quero desvincular-me deste tarifário e não posso, é isso? Sim. Então não quero mais nada com vocês. Não pode. Não posso? Não.

Reticências outra vez…

No dia a seguir, que é hoje, fui a um balcão. Para poder falar com alguém, com gente, com uma pessoa que me explique, que me explique, não! Que me altere o tarifário. Cheguei ao balcão. Expliquei o que pretendia.  Sim senhor. Ligue para este número. Foi a resposta.

Reticências outra vez para não escrever asneiras. É que ela marcou o número e passou-me o telefone para a mão! Oh valha-me Deus! Por isso reticências…

Então o que é que a menina está aqui a fazer? Se quiser reclamar, pode reclamar.

Posto isto resolvi vir para casa gravar “baixos”. É quando gravo uma música com a máquina fotográfica, não ouço os “baixos” na gravação. Agora o computador não lê o chip da máquina fotográfica.

Estão a ver porque é que escrevi um blogue? Isto parece mentira!

Senhora Maria – João Frazão

How the sun sees you